170 ANOS FORMANDO MÚSICOS DE EXCELÊNCIA

Órgão Tamburini

0
0
0
s2sdefault

O instrumento foi construído pela Fabbrica D'Organi Comm. Giovani Tamburini da cidade de Crema (Itália), fundada pelo organeiro Giovanni Tamburini (1857-1942) em 1893. Foi encomendado pela diretora da Escola Nacional de Música, Joanídia Sodré, para substituir o antigo órgão Sauer de fabricação alemã, comprado por Leopoldo Miguez para o Instituto Nacional de Música. A disposição dos registros foi projetada pelo grande organista italiano Fernando Germani (1906-1998). O instrumento da Escola de Música possui 4.620 tubos, quatro manuais, pedaleira e 52 registros reais e foi inaugurado em 13 de agosto de 1954. (O esquema de sua registração pode ser baixado aqui). Desde 1954 inúmeros recitais foram realizados por grandes organistas internacionais, como Fernando Germani, Karl Richter (1926-1981) e Pierre Cocherreau (1924-1984), e nacionais, como Antônio Silva (1908-1960), Gertrud Mersiovsky, Dorotéa Kerr e José Luis Aquino, entre outros. Dois discos foram gravados no instrumento: "Franz Liszt" com a organista Gertrud Mersiovsky, em 1988, e o álbum duplo intitulado "O órgão da Escola de Música" na série "Futuros Mestres em Música" do programa de pós-graduação, reunindo os organistas Marco Aurélio Lischt, Alexandre Rachid, Ary Aguiar e José Luis Aquino. O instrumento serviu também para o desenvolvimento de várias dissertações de mestrado versando sobre o repertório internacional, especialmente sobre obras de César Franck (José Luis Aquino, 1990), Max Reger (Ary Aguiar, 1992 e Marco Aurélio Lischt, 1995), Olivier Messiaen (Alexandre Rachid, 1992), Arnold Schoenberg (Eduardo Biato, 1995), Mozart (Regina Lacerda, 1995), Charles Marie Widor (Benedito José Rosa, 1996), Francisco Arauxo (Bailinda Heckert, 1997) e Jeanne Demessieux (Domitila Ballesteros, 2002).

  

tamburini_convite 

  

Em dezembro de 2008 foi realizado o "Concerto para a Reforma do Órgão Tamburi" com a participação dos organistas Alexandre Rachid, Eduardo Biato, Benedito José Rosa e Domitila Ballesteros, marcando o início da reforma do instrumento patrocinada pela Petrobras. Durante dois anos o instrumento não poderá ser ouvido, pois será completamente desmontado e restaurado, ganhando um moderno sistema digital.

Correspondência

Escola de Música da UFRJ
Edifício Ventura Corporate Towers
Av. República do Chile, 330
21o andar, Torre Leste
Centro - Rio de Janeiro, RJ
CEP: 20.031-170

+55 21 2532-4649
gabinete@musica.ufrj.br

Redes sociais