Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Notícias >> Arquivo

Lançamento dia 13 de dezembro da experiência piloto...

Foto: Marco Fernandes/CoordCOM…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Notícias Arquivo EM aprova curso de cavaquinho
EM aprova curso de cavaquinho PDF Imprimir E-mail
A Congregação da Escola de Música aprovou o bacharelado em cavaquinho, o primeiro curso em nível universitário do instrumento no Brasil.
Escrito por Francisco Conte   
Sex, 25 de Fevereiro de 2011 19:11
Foto: Reprodução
cavaco300

“A perícia era, na verdade grande; o instrumento é que era pequeno. O que ele tocou não era Weber nem Mozart; era uma cantiga do tempo e da rua, obra de ocasião. (...) Ouvi-lo tocar era o menos; vê-lo era o mais. Quem somente o ouvisse não poderia compreendê-lo”.

O Machete,  Machado de Assis.

Agora é definitivo, o nosso simpático cavaquinho, frequentador assíduo dos grupos de choro e das rodas de samba, vai entrar para a academia. E por iniciativa da Congregação da Escola de Música (EM) que acaba de aprovar a criação do bacharelado do instrumento – o primeiro do país. Um pioneirismo que, ao lado do curso de bandolim, inaugurado em 2010, demonstra o esforço da instituição em diversificar sua gama de habilitações e em incorporar práticas musicais contemporâneas.

 

O curso de cavaquinho abre boas perspectivas para a emergência de um repertório novo na música de concerto, assim como possibilita o desenvolvimento de pesquisas acadêmicas voltadas para a prática do instrumento em suas diferentes vertentes. As ementas da nova habilitação do Departamento de Arcos e Cordas Dedilhadas haviam sido aprovadas no ano passado e, no último dia 14, a grade curricular e as ementas das disciplinas específicas para o bacharelado foram definidas. O projeto segue agora para análise do Conselho do Centro de Letras e Artes. A ideia é oferecer a opção já no próximo vestibular.

 

Instrumento muito popular no Brasil, o cavaquinho é de origem portuguesa - assim afirmam pesquisadores como Oneyda Alvarenga, Mário de Andrade e Câmara Cascudo. No livro Instrumentos Populares Portugueses (1964), de Ernesto Veiga de Oliveira, é descrito como “um cordofone popular de pequenas dimensões, do tipo da viola de tampos chatos - e, portanto, da família das guitarras europeias”. Para Gonçalo Sampaio é procedente de Braga, no Minho. Dependendo do lugar é conhecido também como braguinha, braga, machete, machetinho ou machete-de-braga, entre outros nomes.

 

Em Portugal é fundamental nas tunas acadêmicas, conjuntos musicais compostos de estudantes universitários que tocam pelas ruas. No Brasil, assumiu papel de destaque na música popular urbana carioca, especialmente no samba e no choro. Além desses dois países, é usual encontrá-lo também em Moçambique, Madeira, Açores, Cabo Verde e até no Havaí.

 

Uma curiosidade. Uma das primeiras menções literárias ao instrumento é o conto O Machete (1878) de Machado de Assis. A obra ficou muito tempo em segundo plano até que despertou recentemente o interesse de críticos como José Miguel Wisnik. Um primor de ironia e ceticismo machadianos, narra as desventuras de um músico, violoncelista, que vê sua esposa trocá-lo por um exímio executante de cavaquinho. Não resta mais nada ao marido traído, antes de enlouquecer, senão reconhecer a derrota: “ela foi-se embora, foi-se com o machete. Não quis o violoncelo, que é grave demais. Tem razão; o machete é melhor”.

 

Tomara que o nosso cavaquinho, agora alçado a instrumento de concerto, continue seduzindo novos públicos.

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Qua, 20 de Abril de 2011 21:57
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO