Trio UFRJ

Trio UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Grande abrangência de repertório e atuação...

Reconhecendo afinidades de concepções musicais e técnicas,…

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Concertos UFRJ Concertos UFRJ: o Renascimento na música
Concertos UFRJ: o Renascimento na música PDF Imprimir E-mail
Escrito por SeTCOM   
Ter, 04 de Dezembro de 2012 09:02

A produção musical renascentista é a atração desta semana de Concertos UFRJ − programa radiofônico resultado de uma parceria da Escola de Música (EM) com a Roquette Pinto. Em destaque obras dos mais importantes compositores italianos, franceses e ingleses do período. Com produção e apresentação de André Cardoso, docente da EM, a série vai ao ar toda segunda-feira, às 22h, na sintonia 94,1 FM.

 

Marcado por transformações culturais, sociais e econômicas profundas, o chamado renascimento rompe com o pensamento teocrático da Idade Média e encaminha as artes para ideais humanistas e racionalistas. Tendo por base modelos e ideais estéticos da Antiguidade Clássica, os esforços de pensadores, artistas e escritores redimensionarão o entendimento do mundo, através da revalorização do homem e de suas capacidades intelectuais,

podcast

Ouça aqui o programa: 

Toda segunda-feira, às 22h, tem "Concertos UFRJ" na Roquette Pinto FM. Sintonize 94,1 ou acompanhe pela internet!

Programas anteriores podem ser encontrados na seção Concertos UFRJ.
      

Surge a imprensa em tipos móveis, inventada por Johannes Gutemberg (1398-1468), em 1439, acontece a expansão marítima com as grandes navegações, que culminam com a descoberta das Américas, em 1492, o alargamento sem precedentes do conhecimento através da valorização da ciência, e se plasma a sociedade europeia. Época de artistas extraordinários, do quilate de Leonardo Da Vinci (1452-1519), Michelangelo (1475-1564) e William Shakespeare (1564-1616), para lembrar em alguns poucos.

 

Renascença Italiana

 

A música, predominantemente vocal e sacra, também sofreu o impacto dessas transformações. O compositor que melhor representa a produção sacra do período, Giovani Pierluigi da Palestrina, viveu entre 1526 e 1594, e é o maior representante da chamada Escola Romana, tendo sido maestro de capela da Capela Papal de São Pedro. De Palestrina, o programa apresentou dois motetos: “Pecantem me quotidie” e “Exultate Deo”, na interpretação do Coro da Abadia de Westminster e a direção de Stephen Cleobury.

 

Outro compositor italiano importante Carlo Gesualdo, nasceu na região de Nápoles, já no final da Renascença, e se caracteriza por uma música intensamente expressiva e cromática. De Gesualdo “Concertos UFRJ” destacaram o moteto “Ave Dulcissima Maria” com o Coro Monteverdi e a direção de John Elliot Gardiner.

 

Além do repertório sacro, diferentes formas musicais profanas ganharam relevo como reflexo desta nova visão de mundo. O moteto abriu espaço para a frottola e o madrigal, de origens italianas, a chanson francesa, o villancico espanhol e o lied alemão. O compositor Orlando de Lassus foi um dos mais importantes expoentes da escola franco-flamenga de seu tempo. Nascido nos Países-Baixos, em região hoje pertencente à Bélgica, em 1532 Lassus passou a viver na Itália, nas cidades de Nápoles e Roma. Após um breve retorno à terra natal, Lassus se estabeleceu definitivamente na cidade de Munique, onde impulsionou a cena musical da corte do Duque Albrecht V, tornando-a uma das mais pujantes da Europa.

 

Seu estilo era absolutamente eclético e deixou obras sacras e profanas onde constam missas, motetos, madrigais, chansons e lieder, com textos em latim, italiano, francês e alemão. De Orlando de Lassus, o programa pinçou o conhecido madrigal “Bem Convenne” com o Conjunto Vocal Alsfelder e a direção de Wolfgang Helbich.

 

Renascença Francesa

 

A França também foi palco das transformações que impactaram o perído. Compositores como Clement Janequin e Claudin de Sermisy influenciaram profundamente a escrita da época. Janequin viveu entre 1485 e 1558 e escreveu chansons que se caracterizan pelo humor, sensualidade e a imitação da natureza. Sermisy que nasceu na região da Borgonha e viveu entre 1490 e 1562, criou tanto música sacra quanto secular. Suas chansons se caracterizam pela influência italiana e por uma composição básica a quatro vozes sobre textos de poetas contemporâneos que falam sobre o amor e a natureza. De Janequin foi apresentada “Qu'est-ce d'amour” e de Sermisy a chanson “Le content est riche”, as duas com o Ensemble Clement Janequin.

 

Um clássico da chanson francesa interpretada por inúmeros coros ao redor do mundo “Il est bel et bom” é obra do compositor Pierre Passereau, que viveu entre 1509 e 1547, e evidencia um caráter popular marcado por onomatopeias e repetição de sílabas. A versão, mais uma vez, foi a do Ensemble Clement Janequin.

 

Por fim, uma peça de Guillaume Costeley, já do final do período. A chanson “La prise de Calais” se enquadra na categoria das canções de batalha, no estilo de Janequin, com a alternância das métricas binárias e ternárias, o que dá a obra uma grande vivacidade rítmica. Novamente a criação foi a do Ensemble Clement Janequin.

 

Renascença Inglesa

 

Em 1601, Thomas Morley organizou uma coletânea em honra a Rainha Elizabeth I, que recebeu o título de “Os Triunfos de Oriana”. São madrigais de 23 compositores, todos terminados com os mesmos versos “Depois cantaram os pastores e as ninfas de Diana / Longa vida para a bela Oriana”. Oriana, ou mais frequentemente Gloriana, era como os ingleses chamavam a rainha. Desta importante coleção, foram ao ar os madrigais de Thomas Morley, John Farmer, John Wilbye e Thomas Hunt com o conjunto Pro Cantione Antiqua.

 

Música Instrumental

 

A Renascença também assinalou um crescente interesse pela música instrumental. Boa parte deste repertório original, porém, não sobreviveu. Praticado de memória ou improvisado, carecia de registro.

 

No entanto, era comum a transcrição do repertório vocal para os alaúdes e demais instrumentos de cordas dedilhadas como a guitarra, a cítara e a vihuela. A escrita para conjuntos maiores acabou facilitada pelo desenvolvimento de famílias de instrumentos abrangendo diferentes tessituras, conhecidas pela denominação inglesa “consorts”.

 

Desta interessante produção, o programa destacou o “Ricercare”, do compositor italiano Anibale Padovano, o Kanon sobre “Christe der du bist Tag und Licht” para conjunto de violas e flautas, do alemão Mártin Agricola, e a “Canzona in setimi toni”, obra característica da Escola Veneziana e de seu mais importante representante, o compositor Giovani Gabrielli que viveu entre 1556 e 1613, já no alvorecer do barroco. A interpretação ficou a cargo do Ensemble Musica Antiqua de Viena.


* * *


As edições dde Concertos UFRJ podem ser acompanhadas on line ou por meio do podcast, audio sob demanda, da rádio Roquette Pinto. Contatos através do endereço eletrônico: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Ter, 04 de Dezembro de 2012 10:39
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO